Visão Geral:

O que é Capital de Giro?

O Capital de Giro pode ser entendido como a quantidade de dinheiro que uma empresa precisa para realizar sua atividade econômica regularmente. Este recurso financeiro pode estar alocado em estoque, nas contas a receber, no caixa ou na própria conta corrente da empresa.

É claro que a empresa pode ter outros recursos como, por exemplo, ativos de veículos, maquinário e imóveis. No entanto estes não podem ser usados prontamente para custear as operações e não podem ser considerados Capital de Giro.

Como saber se minha empresa precisa de capital de giro?

Em teoria bastaria ter sempre um valor disponível em caixa suficiente para cobrir todas despesas, com bom gerenciamento do fluxo de caixa, para não haver a necessidade de Capital de Giro. Mas sabemos que na prática não funciona assim. Existem situações não previstas que podem fazer com que a empresa tenha de recorrer a um crédito adicional para manter a operação saudável.

Assim, o capital de giro se torna uma espécie de reserva de onde você vai tirar recursos enquanto a saúde financeira da empresa não estiver equilibrada. 

Dessa forma, quanto maior for seu capital de giro, mais tempo você terá para manter sua empresa em pleno funcionamento ao longo dos meses, cumprindo suas obrigações. Assim, mesmo que surjam problemas não previstos, haja uma crise econômica ou uma retração de mercado, os custos operacionais da empresa estarão protegidos.

Não custa lembrar que entre as 6 principais causas de falência das empresas, 3 estão relacionadas a uma má gestão das finanças de seu negócio. E um dos principais erros está na falta de atenção ao caixa da empresa.

Importância do capital de giro nas empresas:

Saber a importância da necessidade de crédito e caixa permite ao empresário ou empreendedor tomar decisões financeiras acertadas, focadas no lucro e no crescimento sustentável de um negócio, para que este se desenvolva no longo prazo. Leia esse artigo para entender mais sobre o assunto.

Em resumo, o capital de giro de uma empresa é importante para:

– Manter a competitividade da empresa e a credibilidade do negócio junto ao mercado;

– Cumprir obrigações recorrentes da empresa como o pagamento de impostos e salários;

– Respeitar prazos de fornecedores e manter uma boa relação com parceiros estratégicos, permitindo melhores negociações;

– Evitar juros oriundos do atraso de pagamentos, impactando negativamente a lucratividade;

– Garantir a produção de pedidos futuros já vendidos e que demandam compra de materiais;

– Fugir da necessidade de recorrer a empréstimos de curto prazo, que possuem juros elevados e podem prejudicar a saúde financeira da empresa.