Aprenda a sair de uma dívida de cartão de crédito e não voltar mais

Publicado por Lucas Avila - 18/02/2022

Muito provavelmente você já fez uma compra no cartão de crédito com a convicção de que seria facilmente quitada. A fatura chega e você sequer se lembra daquele valor, quando coloca na ponta da caneta o resultado é um só: dor de cabeça para pagar.

Não se preocupe, esse é um problema na vida de muitos brasileiros. O consumismo faz com que o vilão pareça ser o cartão de crédito, quando na verdade não é. Algumas mudanças de hábitos podem fazer você sair dessa bola de neve.

Ao se adquirir um cartão de crédito, muitas pessoas agem como se aquele limite fosse uma renda a mais no fim do mês, mas isso não é verdade. É necessário uma mudança de pensamento para inserir aquela dívida no seu orçamento.

Entretanto, esse tipo de consciência financeira acaba por ser algo incomum na prática. Pessoas fazem vários tipos de compras no crédito, e quando menos esperam se veem atoladas numa dívida por meses sem nenhum tipo de planejamento prévio.

Veja a seguir algumas dicas de como se organizar para não se endividar com o cartão de crédito:

1 – Faça uma planilha de gastos

Controlar seus gastos é uma das principais formas de não se surpreender ao receber uma fatura. Isso porque, muitas pessoas deixam para começar a pensar no pagamento quando a fatura já está em mãos e isso acaba virando um problema.

Uma planilha de gastos irá te ajudar a administrar de forma consciente a sua vida financeira. Portanto escolha uma boa ferramenta e liste todos os gastos mensais, especificando os que foram feitos no seu cartão de crédito.

Após separar suas despesas, lembre-se sempre de colocar data e horário dos itens de sua planilha. Quanto mais detalhes, mais fácil será de você visualizar posteriormente e identificar aquele gasto.

Após somar todas as suas despesas, faça um comparativo com sua renda. Caso perceba que há um déficit financeiro, comece a pensar em alternativas com antecedência para não ficar no vermelho.

E, supondo que após analisar você perceba um respiro financeiro, você pode pensar em aplicar esse dinheiro em outras áreas sem se sentir sufocado, pois com esse tipo de organização, suas despesas já não são problemas que parecem irreversíveis.

Na internet é muito simples encontrar consultoria para planejamento estratégico. Caso queira ir mais a fundo nesse tipo de mudança de hábito através das planilhas de gastos, sugiro que você pesquise algo relacionado a isso.

2 – Conheça os principais termos

Pois bem, no que se diz respeito a um cartão crédito, vários termos são utilizados e alguns deles são:

  • Anuidade;
  • Fatura;
  • Limite;
  • Data de fechamento;
  • Data de vencimento.

Anuidade é um valor que serve para custear a manutenção do seu cartão, esse valor varia de acordo com os benefícios dele. A fatura é um boleto que possui um registro das compras feitas no cartão, nele possui o valor completo a ser pago.

Limite, nada mais é, do que o teto máximo que você consegue gastar com determinado cartão de crédito. Se você tentar efetuar uma compra acima do limite estipulado, a transação não será autorizada, entretanto, o limite pode ser ajustado.

A data de fechamento pode ser entendida como a data em que é feita a somatória dos gastos mensais efetuados no cartão. Já a data de vencimento é a data limite para o consumidor fazer o pagamento da fatura.

Essas informações são relevantes para que se tenha total entendimento sobre a funcionalidade do seu cartão e também para que você possa ter total controle dos prazos a serem seguidos.

3 – Tenha um aplicativo de finanças

Assim como planilha de gastos, o aplicativo é uma forma portátil de você conseguir se organizar financeiramente. Nesse tipo de plataforma que você pode acessar tanto pelo celular quanto pelo computador, dá para se ter maior controle sobre as despesas.

Geralmente eles são bem didáticos e com uma interface extremamente intuitiva para ajudar quem está tendo o primeiro contato com a educação financeira. Entretanto, em algumas versões pagas, até mesmo empresas podem usar esses aplicativos.

Se uma empresa prevê, através de um aplicativo, que se endividou por causa de um cartão de crédito, ela pode começar a pensar em alternativas de antecipar algum capital pendente usando serviços de factoring para empresas, por exemplo.

Factoring é uma atividade de fomento mercantil que assume dívidas creditórias, fornecendo pagamento à vista. Essa alternativa é somente uma das várias alternativas que podem ser pensadas quando se tem um maior parâmetro financeiro.

Portanto, é necessário ter controle do que ser feito ou não em casos específicos. Nos casos empresariais, se perceber que a administração por aplicativo não foi o suficiente, opte por consultar empresas de contabilidade para ter melhor direcionamento.

Ficou evidente nessa hipótese, que aplicativos de finanças possuem utilidades tanto no campo do micro (finanças pessoais) quanto do macro (finanças empresariais). Isso ocorre pela facilidade de utilização e por serem uma solução portável.

4 – Entenda como funciona o parcelamento

O maior problema do recurso de parcelamento, é que nos meses seguintes as pessoas sequer lembram do que se trata determinado valor presente na fatura. No caso de compras, se bem utilizada, essa utilidade pode ser uma solução.

Observe se a opção de parcelamento é com ou sem juros. Embora a vontade de quitar o quanto antes uma dívida seja sempre a preferida por todos, não adianta quitar suas dívidas no momento e ao final do mês não ter um centavo no bolso.

Mas e se o parcelamento tiver juros, ainda vale a pena parcelar? Isso é um pouco mais complicado, porque vai variar de como a empresa do seu cartão lida esse tipo de taxa.

Se a questão for empresarial, avalie a possibilidade de buscar uma consultoria tributária para organizar melhor seus pagamentos de juros e impostos.

Mas no caso do parcelamento da sua fatura o risco é maior. Porque afinal, você está juntando todos os itens comprados no mês em seu cartão e dividindo-o. Nesse caso, a probabilidade de os juros saltarem é maior.

Evite esse tipo de operação e se planeje para conseguir pagar sua fatura em seu valor integral. Além de evitar taxas não previstas, você estará criando um hábito financeiro que te ajudará a dar certos respiros de tranquilidade no final do mês.

5 – Evite gastos desnecessários

Evitar gastos desnecessários talvez seja o mais importante dos itens citados. O mundo atual depende do consumo para continuar girando, então muitas empresas adotam estratégias para você pensar que precisa algo, mas sem precisar.

Antes de fazer uma compra no seu cartão de crédito, sempre se pergunte a real necessidade e o nível de prioridade que aquele produto possui em sua vida. Isso te ajudará a ter maior consciência do que deve ou não entrar no seu orçamento.

Tenha em mente que seu limite de crédito não é uma renda a mais entrando, mas sim, uma oportunidade que você tem de ganhar um prazo maior para fazer uma aquisição que realmente importa.

Supondo que você, ao navegar pela internet, encontrou um anúncio sobre reformas em geral. Por mais que a empresa anunciada apresente mão de obra qualificada e especializada, você não precisa fazer uma reforma no seu quarto parcelada.

Caso precisasse, você poderia analisar, planejar e só depois acrescentar esse tipo de transação no seu orçamento. Mas quando não há necessidade, não se deixe levar pelos anúncios, porque vencer a tentação é bem menos doloroso do que se endividar.

Em âmbito empresarial, um empreendedor quer dobrar o seu catálogo adicionando novos produtos. É muito mais consciente avaliar com seu sistema de gestão empresarial, antes de se precipitar. O imediatismo dá margem ao erro.

6 – Eduque-se financeiramente e colha frutos

A mudança de hábito quanto ao uso do cartão de crédito está ligada, principalmente, à sua educação financeira. O cartão de crédito só é um problema se você permitir que ele seja.

Imponha em si controles que posteriormente se converterão em aprendizados. Atente-se em não pagar o valor mínimo de uma fatura e, em casos mais extremos, pode ser que seja viável para você até mesmo diminuir o limite do seu cartão.

De preferência, ative o sistema de entrega de notificações do seu banco para sempre ter uma dimensão em tempo real do quando você está gastando no crédito, para que você possa dimensionar melhor suas despesas no dia a dia.

Caso você seja um empreendedor, certifique-se de que o financeiro da sua empresa está bem organizado. Se achar melhor, contrate empresas que prestam um bom serviço de processamento de folha de pagamento, para suas preocupações serem pontuais.

Isso fará com que seu capital esteja bem dividido entre o que pode ou não pode ser investido em outros setores e dará maior liberdade para a utilização do cartão de crédito empresarial.

A melhor forma de eliminar de vez as dívidas com o cartão de crédito é se organizando para efetuar transações que não irão comprometer, de forma alguma, sua renda mensal. Entenda isso e é bem provável que você cresça financeiramente.

Esse texto foi originalmente desenvolvido pela equipe do blog Guia de Investimento, onde você pode encontrar centenas de conteúdos informativos sobre diversos segmentos.

Quer estar por dentro do mundo das finanças?

Assine a newsletter do Conexão Financeira.