Crédito imobiliário para jovens saiba como é possível

Publicado por Guilherme Alves - 12/01/2022

O comportamento do mercado de imóveis vem acompanhando as mudanças da economia e do perfil dos consumidores. Neste sentido, algo que vem ganhando destaque é o crédito imobiliário para jovens.

Crédito Imobiliário para Jovens
Crédito Imobiliário para Jovens

Cada vez as possibilidades para um jovem conseguir crédito imobiliário estão melhores, ainda mais quando é provado que o jovem tem independência financeira e estabilidade. 

De acordo com um estudo desenvolvido pela Caixa Econômica Federal (CEF), considerando o período de janeiro a setembro de 2013, clientes com idade inferior a 35 anos realizaram 57% dos financiamentos imobiliários.

Do total de R$100,1 bilhões em contratações, 44% foi destinado a clientes nesta faixa etária.

Esse fato está diretamente ligado ao fato dos jovens entrarem mais cedo no mercado de trabalho.

Assim, cada vez mais cedo conseguem certa estabilidade e sucesso em suas carreiras, se destacando em profissões estratégicas como o desenvolvimento de software sob medida, com grande demanda atualmente.

Ao receber salários maiores, conseguem ter maior flexibilidade para lidar com as parcelas, além dos recursos como o FGTS (Fundo de Garantia do Tempo de Serviço) se acumularem proporcionalmente, o que possibilita um valor de entrada maior para o abatimento.

Existem programas e empresas que estão voltando sua atenção para os jovens, como é o caso da nova fase do programa “Minha Casa, Minha Vida”, que contemplará clientes que se enquadram na faixa entre zero e três salários mínimos.

Neste mesmo sentido, existem startups, como a Creditú, de origem chilena, que chegam ao mercado com serviços voltados exatamente para jovens, mulheres e trabalhadores informais.

Com cada vez mais empreendedores que buscam a serviços de abertura de empresa, é preciso atender esse público, colocando critérios que permitam a sustentabilidade das atividades da fornecedora de crédito.

O fato é que entre esse público existe uma ampla gama de bons clientes que merecem e ganham a oportunidade de adquirir seu imóvel.

Neste artigo abordamos detalhes importantes para você que é jovem e procura boas oportunidades de crédito imobiliário.

Pontuamos aqui dicas e informações para você conseguir se planejar da melhor forma para adquirir seu imóvel próprio. Continue lendo e confira.

Qual a melhor idade para comprar um imóvel?

Na hora de se planejar para a compra de um imóvel é importante contar com um mínimo de 25% do valor do imóvel disponível.

20% é o valor mínimo exigido para entrada, somando-se a isso valores referentes às taxas e impostos.

Sabendo destas informações, tendo um trabalho fixo, como em serviços de call center, é possível se planejar, conforme sua renda e o valor do imóvel desejado.

De acordo com Lucas Cardozo, cofundador da imobiliária on-line EmCasa, a idade ideal para realizar a compra é um balanço entre esse mínimo de 25% e a juventude.

Comprar um imóvel mais jovem permite uma maior possibilidade de parcelamento, além de diluir melhor taxas referentes a seguros, que se encarecem com a maior idade.

Em uma comparação entre um comprador de 50 anos com um de 20 anos, tem-se um encarecimento de até 600% no que tange o valor dos seguros.

A idade máxima para quitação de um financiamento é de 80 anos e seis meses, mantendo a segurança para que os credores recebam os valores referentes ao financiamento.

Dessa forma, alguém com 30 anos consegue um parcelamento maior, com valores mais diluídos, do que uma pessoa com 60 anos, que terá o número de parcelas reduzidas.

Mas ainda que aos 18 anos você já conte com uma boa posição em seu emprego de consultoria para planejamento estratégico, é preciso ponderar com atenção se o financiamento de um imóvel é a melhor escolha nesse momento.

Como pontua a educadora financeira Luciana Ikedo, é muito importante ponderar para o fato de que no início da vida profissional, os jovens não estão consolidados financeiramente.

É preciso analisar e pesar questões como a renda que estará disponível para ser destinada à formação profissional nesse momento.

Se está nesse início de carreira, há possibilidades de fazer um intercâmbio, um MBA ou buscar uma certificação.

Todas essas são formas de se valorizar profissionalmente e garantir uma melhor estabilidade em alguns poucos anos, o que lhe dará maior possibilidade de escolha e poder de compra.

Com uma renda muito limitada a escolha do imóvel estará sujeita a restrições, como de espaço e localização, e isso pode se refletir em uma compra ruim, gerando arrependimento.

No entanto, esperar demais também não é a melhor escolha. Ainda que você tenha uma boa posição trabalhando com software de gerenciamento para ativos, com o passar da idade questões como problemas de saúde começam a surgir.

Não apenas pelos gastos que se elevam, os valores do seguro habitacional, obrigatório para quem vai contratar um financiamento imobiliário, também começam a subir.

Ao pesar os fatores “valor da entrada” e “melhor idade para financiar um imóvel”, a educadora Luciana Ikedo sugere que a melhor faixa etária esteja entre os 30 e 45 anos.

Claro que muitos outros fatores estão ligados, mas é nessa faixa etária que a renda tende a estar mais estabilizada, com muitas pessoas no auge de suas carreiras.

Qual a renda mínima para comprar um imóvel?

Nesse momento você deve estar se perguntando qual a renda mínima que você precisa para financiar seu imóvel. Isso vai depender de uma série de fatores, como:

  • Total financiado (valor do imóvel menos a entrada);
  • Número total de parcelas;
  • valor da parcela calculada;
  • Juros; 
  • Taxas.

Para que o banco aceite o financiamento, o valor da parcela não pode comprometer mais do que 30% de sua renda líquida mensal.

Tendo um trabalho como tradução de documentos ou qualquer outro, você pode buscar simuladores nos sites dos bancos e instituições de crédito para fazer cálculos como este e ver possíveis cenários.

Como conseguir crédito imobiliário?

Pontuamos aqui algumas dicas importantes para que o jovem consiga crédito imobiliário para financiar o tão sonhado imóvel. Confira.

Tenha um valor guardado para emergências

Separe um valor fixo mensalmente do salário de sua empresa de contabilidade e consultoria para compor esse valor.

Contar com uma reserva financeira saudável é importante para estar preparado para possíveis gastos extras que possam surgir.

Com essa reserva você pode lidar com estes problemas sem comprometer o pagamento das parcelas do financiamento.

Busque saídas flexiveis

No momento de adquirir o primeiro imóvel é preciso buscar saídas mais flexíveis para que o orçamento se adeque à realidade.

É importante considerar se possui uma boa localização, para ser fácil de alugar ou revender, uma vez que o imóvel não precisa ser o mesmo para sempre. Peça auxílio a uma boa imobiliária ou uma empresa de incorporação imobiliária na tomada dessa decisão.

Ao terminar de quitá-lo, é possível usar como entrada de outra opção que represente mais aquilo que deseja. É importante que você tenha uma visão de longo-prazo.

Busque uma opção simples, não exigindo um imóvel grande, pois nesse primeiro momento é preciso entender que o imóvel dos sonhos pode estar longe das possibilidades.

Estude custos e taxas

É importante estudar sobre as taxas de aluguel e retorno do investimento com o custo do financiamento.

Para esse cálculo, divida o valor do aluguel de um outro imóvel, semelhante ao que você planeja comprar pelo valor pedido pelo imóvel em si.

Em um exemplo prático, caso o que você deseja custe R$500 mil, e o aluguel de um imóvel semelhante e com uma localização parecida seja de R$2 mil, a taxa de retorno será de 4.91% ao ano ou 0,40% ao mês.

Com isso em mente, se você tiver o dinheiro para fazer a compra à vista, deve comparar as possibilidades de retorno de outras aplicações financeiras, como títulos do Tesouro Direto, por exemplo.

Se for possível ganhar mais em uma aplicação financeira, vale mais a pena fazer o investimento e manter o aluguel.

Se a intenção for o financiamento do imóvel, compare a taxa do aluguel com o Custo Efetivo Total (CET) de seu financiamento.

Estude sobre a atual economia do país 

Aproveite seus livros da faculdade sobre finanças e economia, dando foco às questões práticas.

Quanto mais conhecimento e informação você acumula, maior sua facilidade para lidar com suas próprias finanças e tomar uma boa decisão quanto ao melhor momento de adquirir seu imóvel.

Busque se informar sobre as oportunidades

Entre em contato com certa frequência com os bancos para saber das melhores possibilidades.

A instituição financeira pela qual a empresa de soluções audiovisuais que você trabalha faz seus pagamentos, provavelmente lhe oferecerá certas vantagens de crédito, pois você já possui um vínculo.

Considerações Finais

O principal consumidor do mercado imobiliário atualmente é o público jovem, que possui suas preferências e anseios próprios.

Com uma visão diferente das gerações anteriores, a busca é por mais praticidade, uma excelente localização, não havendo necessidade de carro e garagem. 

Neste artigo você pôde ver como o mercado está aberto para esse público, e qual é a melhor hora para você comprar seu imóvel.

Planeje-se, mantenha- se atualizado sobre questões relativas às finanças, questões econômicas do país e possibilidades de crédito.

Esse texto foi originalmente desenvolvido pela equipe do blog Guia de Investimento, onde você pode encontrar centenas de conteúdos informativos sobre diversos segmentos.

Conteúdo Relacionado

Quer estar por dentro do mundo das finanças?

Assine a newsletter do Conexão Financeira.