• Capital de Giro para Empresas

    Procurando Capital de Giro para sua empresa? Temos as melhores taxas de juros do mercado em uma solução de empréstimo transparente, segura e rápida. Taxas a partir de 0,99% a.m. para todos os portes de empresa.

    Solicite um contato sem compromisso hoje mesmo!

O Conexão Financeira tem como objetivo, em primeiro lugar, encontrar as menores taxas de juros e os melhores prazos de pagamento no Capital de Giro para Empresas, para nossos clientes. Dessa forma sua empresa pode conseguir o recurso que precisa, nas melhores condições que o mercado oferece.

O Capital de Giro é indicado para empresas que precisam expandir seus negócios, bem como começar um novo projeto ou reorganizar sua saúde financeira. Nesse sentido, trabalhamos com diversos parceiros que atuam com diversas linhas de crédito. Com certeza uma delas é a solução que sua empresa precisa.

Como funciona:

Nossos parceiros para soluções de Capital de Giro

Por que solicitar um Capital de Giro junto ao Conexão Financeira?

O Conexão Financeira oferece um serviço imparcial de aproximação de fornecedores de Capital de Giro com empresas que os necessitem. O serviço é 100% gratuito para quem solicita o contato e, acima de tudo, não há qualquer exigência de fechamento de negócio após a solicitação. Como resultado, nós oferecemos um leque de ofertas para ajudar sua empresa a tomar a melhor decisão.

Um de nossos consultores poderá entrar em contato com sua empresa e, assim, explicar em detalhes, as ofertas propostas por nossos parceiros.

Peça um contato e dessa forma saiba como utilizar essa opção de crédito para alavancar os negócios de sua empresa.

O que é Capital de Giro?

O Capital de Giro pode ser entendido como a quantidade de dinheiro que uma empresa precisa para realizar sua atividade econômica regularmente. Este recurso financeiro pode estar alocado em estoque, nas contas a receber, no caixa ou na própria conta corrente da empresa.

É claro que a empresa pode ter outros recursos como, por exemplo, ativos de veículos, maquinário e imóveis. No entanto estes não podem ser usados prontamente para custear as operações e não podem ser considerados Capital de Giro.

Como saber se minha empresa precisa de capital de giro?

Em teoria bastaria ter sempre um valor disponível em caixa suficiente para cobrir todas despesas, com bom gerenciamento do fluxo de caixa, para não haver a necessidade de Capital de Giro. Mas sabemos que na prática não funciona assim. Existem situações não previstas que podem fazer com que a empresa tenha de recorrer a um crédito adicional para manter a operação saudável.

Assim, o capital de giro se torna uma espécie de reserva de onde você vai tirar recursos enquanto a saúde financeira da empresa não estiver equilibrada. 

Dessa forma, quanto maior for seu capital de giro, mais tempo você terá para manter sua empresa em pleno funcionamento ao longo dos meses, cumprindo suas obrigações. Assim, mesmo que surjam problemas não previstos, haja uma crise econômica ou uma retração de mercado, os custos operacionais da empresa estarão protegidos.

Não custa lembrar que entre as 6 principais causas de falência das empresas, 3 estão relacionadas a uma má gestão das finanças de seu negócio. E um dos principais erros está na falta de atenção ao caixa da empresa.

Importância do capital de giro nas empresas:

Saber a importância da necessidade de crédito e caixa permite ao empresário ou empreendedor tomar decisões financeiras acertadas, focadas no lucro e no crescimento sustentável de um negócio, para que este se desenvolva no longo prazo. Leia esse artigo para entender mais sobre o assunto.

Em resumo, o capital de giro de uma empresa é importante para:

- Manter a competitividade da empresa e a credibilidade do negócio junto ao mercado;

- Cumprir obrigações recorrentes da empresa como o pagamento de impostos e salários;

- Respeitar prazos de fornecedores e manter uma boa relação com parceiros estratégicos, permitindo melhores negociações;

- Evitar juros oriundos do atraso de pagamentos, impactando negativamente a lucratividade;

- Garantir a produção de pedidos futuros já vendidos e que demandam compra de materiais;

- Fugir da necessidade de recorrer a empréstimos de curto prazo, que possuem juros elevados e podem prejudicar a saúde financeira da empresa.

Existem algumas maneiras de como conseguir capital de giro para empresa. Confira algumas opções que podem ajudar você nesta procura.

1. Aporte dos sócios

A primeira opção é buscar entre os sócios um aporte financeiro para a empresa. Se o seu negócio precisa de um investimento rápido, sem muita burocracia, o aporte dos sócios é uma boa opção. Outro ponto positivo é que, nestes casos e em teoria, a empresa não precisará pagar juros (mas os sócios devem acordar entre si como será a restituição desse aporte). Por outro lado, pensando que uma empresa é feita para dar lucro, essa opção descapitaliza os sócios. 

2. Renegociação de dívidas e parcelamentos

Não se trata de uma forma de conseguir capital de giro para empresa mas sim uma maneira de diluir os custos do negócio a curto prazo, melhorando o fôlego financeiro.

Essa estratégia é indicada quando a equação da necessidade de capital de giro que aborda os custos estiver próxima a fechar e, com custos reduzidos, chega-se a um equilíbrio. Neste modelo a empresa renegocia os prazos de pagamento junto aos credores, reduzindo o valor das parcelas (mesmo que aumentando o número destas).

3. Antecipação de recebíveis

Uma das maneiras mais tradicionais entre empresas para conseguir capital de giro de maneira rápida. Ao antecipar os recebíveis uma empresa está antecipando o recebimento de um pagamento de cliente que só seria feito no futuro. 

Como a grande maioria das empresas oferece formas de pagamento a prazo para seus clientes, através de boletos ou duplicatas, sua empresa pode buscar uma instituição financeira que faça a antecipação de recebíveis e receber o valor do boleto ou duplicata imediatamente, mediante uma taxa de desconto. 

A antecipação pode ser realizada também com pagamentos realizados por meio de cheques e cartões de crédito.

É importante, entretanto, que essa prática não se torne um hábito pois, ao antecipar seus recebíveis, esse capital

4. Conta garantida

A conta garantida é como se fosse um limite de cheque especial para empresas. A vantagem sobre o cheque é que suas taxas costumam ser mais baixas.

Quase todas as empresas podem ter acesso a essa forma de conseguir capital de giro, mas é preciso ficar atento. Apesar de atrativa, a opção pode ter uma alta incidência de impostos além de uma taxa de juros elevada, ainda que menor que o do cheque especial.

5. Empréstimos bancários para Pessoa Jurídica

Outra opção bastante utilizada por empresas de todos os setores, com o objetivo de conseguir capital de giro para a empresa.

É importante que a empresa tenha um planejamento financeiro estruturado antes de solicitar o empréstimo, sabendo qual o valor teto da parcela para esta não se tornar um problema futuro. Outro ponto a ter com clareza é em quanto tempo se pretende quitar o empréstimo. 

Uma boa pesquisa entre os bancos para comparar taxas, juros, multas e o custo efetivo total do empréstimo é fundamental para garantir o melhor negócio possível. Lembrando que nós do Conexão Financeira podemos lhe ajudar aqui.

Perguntas Frequentes sobre Capital de Giro:

Principais Perguntas:

O que é Capital de Giro?
Capital de Giro é uma linha de crédito específica para pessoas jurídicas, oferecido por bancos, financeiras, fintechs, factorings e outros fornecedores, com o objetivo , portanto, de ajudar na saúde financeira da empresa que solicita.

Minha empresa tem restrição no CNPJ. Posso fazer um Capital de Giro?
Deve ser analisado o tipo de restrição para avaliar se é ou não possível tal operação. 

Qual o faturamento mínimo para minha empresa solicitar um Capital de Giro?
Não existe um faturamento mínimo para contratar o crédito. Existe sim uma análise da capacidade da empresa pagar pela parcela, versus o valor faturado pela mesma. Dessa forma, analise bem o valor a ser solicitado e se sua empresa tem capacidade de pagamento.

Minha empresa precisa oferecer garantias para solicitar um Capital de Giro?
Depende de caso a caso. Em algumas operações é exigido garantias, que podem chegar até 100% do valor solicitado. Contudo, há casos onde não é exigido garantias, devido ao bom histórico e indicadores da empresa que solicita o valor.

Preciso comprovar o uso do empréstimo?
Uma das principais vantagens do capital de giro é que o recurso é livre e sua empresa pode utilizar como quiser. Em contrapartida, os juros tendem a ser mais altos que outras linhas de crédito.

Existe Capital de Giro para pessoas físicas e jurídicas?
Não, apenas pessoas jurídicas podem solicitar o crédito para giro.

Minha empresa deve dar algum valor como “entrada” para conseguir um Capital de Giro?
Não, o Capital de Giro é uma modalidade de empréstimo e não de financiamento. Caso alguém lhe solicite uma entrada para uma operação de Capital de Giro, não o faça. 

Outras Perguntas Importantes

Qual a taxa de juros do Capital de Giro?
A taxa de juros do crédito para Capital de Giro varia conforme a operação. Não é possível definir um valor base. Fatores como por exemplo a análise do perfil da empresa, o prazo da operação, o montante solicitado e as garantias oferecidas, são fundamentais na definição das taxas de juros oferecidas pelos fornecedores. 

Existe um valor máximo que pode ser solicitado como Capital de Giro?
O valor máximo será definido conforme o porte da empresa e sua capacidade de pagamento. Como resultado, quanto maior o faturamento e mais saudável for a empresa, maior a linha de crédito disponível.

Além dos juros, existem outras taxas numa operação de crédito para Capital de Giro?
Existem taxas adicionais, que variam de fornecedor a fornecedor. Frequentemente cobra-se uma taxa de abertura de crédito (TAC) que fica embutida no valor da operação. Da mesma forma, há também a incidência de IOF (Imposto sobre Operações Financeiras).

Esperamos ter ajudado com essas perguntas frequentes sobre Capital de Giro.

Confira os principais termos sobre Capital de Giro:

ANÁLISE DE CRÉDITO: Procedimento em que os tomadores de crédito apresentam suas situações para os fornecedores de crédito. Deve ser apresentado um conjunto mínimo de garantias de que os pagamentos serão feitos de acordo com o esperado.

ANTECIPAÇÃO DE RECEBÍVEIS: A obtenção de recursos financeiros a curto prazo a partir do desconto de duplicatas ou boletos com vencimento futuro. 

ATIVO: Conjunto dos bens e direitos de uma empresa.

ATIVO CIRCULANTE: é toda a forma de recursos disponíveis ou facilmente convertidos em liquidez, como valores em contas bancárias, aplicações financeiras, contas a receber, entre outros. Quanto maior o capital de giro líquido, maior a capacidade da empresa em cumprir seus compromissos e investir.

ATIVO FINANCEIRO: Valor mobiliário que, geralmente, confere ao seu titular um crédito ou um direito de propriedade sobre a entidade emissora, tais como instrumentos de divida e ações.

CAPITAL: É a soma de todos os recursos, bens e valores, mobilizados para a constituição de uma empresa.

CAPITAL AUTORIZADO: Limite estatutário, de competência de assembléia geral ou do conselho de administração, para aumentar o capital social de uma empresa.

CAPITAL DE GIRO: É a parte do capital da empresa que se destina ao dia-a-dia dos negócios. É o dinheiro que vai ser usado para pagar fornecedores, salários e contas em geral. É importante que a empresa tenha capital de giro suficiente, caso contrário precisará tomar empréstimos no mercado, quando estiver apertada, sem caixa, para pagar seus compromissos.

CAPITAL DE GIRO LÍQUIDO OU CAPITAL CIRCULANTE LÍQUIDO (CCL): O capital de giro líquido, também conhecido como capital circulante líquido representa a dedução do passivo circulante do ativo circulante, expresso da seguinte forma: CCL = AC – PC, sendo: CCL: capital circulante líquido; AC: ativo circulante; PC: passivo circulante.

CAPITAL SOCIAL: Montante de capital de uma sociedade anônima que os acionistas vinculam a seu patrimônio como recursos próprios, destinados ao cumprimento dos objetivos da mesma. A soma do capital social integralizado de uma empresa, juntamente com as reservas de capital, as de reavaliação e de lucro, assim como o lucro ou prejuízo acumulados no período, forma o patrimônio líquido de uma empresa.

CHEQUE ESPECIAL: Operações de crédito vinculadas a contascorrentes mediante a utilização de limite de crédito préestabelecido sem necessidade de comunicação prévia à instituição financeira.

CONTA GARANTIDA: Operações de crédito vinculadas à conta-corrente de pessoas jurídicas, associadas à utilização de limite de crédito pré-estabelecido. Caracterizam-se pela amortização automática do saldo devedor, quando ocorrem depósitos na contacorrente. Diferenciam-se do cheque especial por causa de solicitação de eventuais garantias.

FACTORING: Empresas que fornecem serviços de assistência financeira, gestão de crédito e de administração financeira em geral.

FLUXO DE CAIXA: Termo utilizado para denominar o demonstrativo de origem e aplicação de recursos divulgados pela empresa. Ele apresenta o fluxo de entradas e saídas de dinheiro do caixa. Além disso, é uma medida para se determinar o valor de uma empresa, através do fluxo de caixa descontado. A importância do fluxo de caixa descontado é poder informar o grau de atratividade de uma oportunidade de investimento.

GARANTIA: O termo garantia se refere aos itens usados por uma empresa ou indivíduo para sustentar o crédito quando levanta um financiamento. Dessa forma, a garantia de um empréstimo pode ser qualquer ativo sobre o qual o credor (quem emprestou o dinheiro) tem um direito legal, que pode ser exercido caso o tomador do empréstimo não cumpra alguma das cláusulas do contrato.

GIRO DE ATIVO: Indicador de análise financeira que indica a eficiência com que a empresa usa seus ativos para gerar vendas. O indicador é calculado como sendo a divisão da receita líquida de vendas pelo ativo total da empresa. Quanto maior o índice, mais eficiente é a empresa no uso de seus ativos.

GIRO DE CAIXA: Indicador de análise financeira que expressa o número de vezes por ano que o caixa de uma empresa gira. Este indicador é o resultado da divisão entre as receitas da empresa e o seu capital circulante. Quanto maior o indicador, mais eficiente é a empresa na gestão do seu caixa e vice-versa.

GIRO DE ESTOQUE: Indicador que expressa com que velocidade a empresa é capaz de girar seus estoques durante um ano. Este indicador é o resultado da divisão entre o custo de mercadorias vendidas e o valor do estoque médio da empresa em certo período. Para determinar o período médio dos estoques de uma empresa, basta apenas dividir o número 365 pelo giro de estoques. Em geral o melhor é que uma empresa possua um giro alto de estoque, pois isto provavelmente significa maior volume de vendas.

LINHA DE CRÉDITO: Acordo pelo qual um banco se compromete conceder um empréstimo de determinado montante a um terceiro, até um certo limite e em qualquer momento.

IOF (IMPOSTO SOBRE OPERAÇÕES FINANCEIRAS): Incide sobre o ganho da aplicação de fundos de renda fixa. Tem uma liquidez diária, de acordo com uma tabela regressiva, até o 29º dia da aplicação, estado isentos a partir do 30º dia.

JUROS: Remuneração que o detentor do dinheiro cobra para conceder um empréstimo. O valor do juro (seu percentual) é considerado como o custo ou preço do dinheiro. Como qualquer outro bem na economia, o custo do dinheiro (taxa de juros) é determinado pela oferta e procura.

JUROS COMPOSTOS: Quando os juros são pagos não apenas sobre o valor do principal, mas também sobre os juros obtidos em relação ao principal nos períodos anteriores. No cálculo dos juros compostos, os juros obtidos em um período são incorporados ao principal no período seguinte.

JUROS SIMPLES: Ao contrário dos juros compostos, neste caso os juros são pagos apenas sobre o valor do montante (ou principal) da aplicação ou empréstimo.

LIQUIDEZ: Termo usado para determinar a capacidade que um título tem para ser convertido em moeda. No mercado financeiro é a tradução de facilidade de negociação, visto que quanto maior a liqüidez, mais fácil será a compra ou venda de um ativo.

LIQUIDEZ CORRENTE: Indicador utilizado na análise financeira de uma empresa, que determina o quanto esta empresa tem a receber no curto prazo em relação a cada unidade monetária que deve pagar no mesmo período. O indicador é resultado da divisão entre o ativo circulante e o passivo circulante de uma empresa.

LIQUIDEZ GERAL: Indicador de análise financeira, utilizado para medir a liquidez de uma empresa. Ao contrário do indicador de liquidez corrente, que indica quanto uma empresa tem a receber em relação ao que deve no mesmo período, este indicador engloba também os ativos e passivos de longo prazo, ou seja, aqueles que serão realizados em um prazo superior a um ano. Este indicador é o resultado da divisão entre o ativo circulante mais realizável a longo prazo pelo passivo circulante mais o exigível a longo prazo da empresa.

LIQUIDEZ SECA: Assim como o indicador de liquidez corrente, o indicador de liquidez seca reflete a capacidade de uma empresa em cumprir com suas obrigações de curto prazo. A única diferença na fórmula de cálculo é que os estoques são excluídos dos ativos circulantes da empresa. A suposição básica é de que os estoques são ativos menos líquidos e, portanto, devem ser ignorados.

TAXA DE JUROS:  Taxa cobrada para empréstimos, créditos ou financiamentos de dinheiro e seu valor expressa o custo do dinheiro no mercado. É um ganho para o emprestador e uma despesa para o tomador do empréstimo.

Esperamos ter lhe ajudado com os principais termos sobre Capital de Giro!

Close Bitnami banner
Bitnami